A Ecomarapendi é a ONG (organização não-governamental) responsável pela Recicloteca. Além do centro de informações de meio ambiente e reciclagem, oferece diagnóstico participativo, estudos de impacto ambiental e de vizinhança, treinamento e capacitação. Entre em contato pelo email contato@ecomarapendi.org.br
Fechar janela

Lixo Reciclável é um termo que prejudica a coleta seletiva

Nas definições oficiais de dicionários e nas populares o lixo nunca está associado a algo bom, útil, valioso ou mesmo saudável. Por outro lado os materiais recicláveis, usualmente destinados de forma equivocada às lixeiras, são o oposto do lixo: bons, úteis, valiosos e não são insalubres.

Isto posto, é muito frustrante que, mesmo com a já consagrada importância da reciclagem para o meio ambiente, a expressão ‘lixo reciclável’ perdure e seja usada até mesmo por especialistas.

Termo lixo reciclável atenta contra a coleta seletiva

Não existe ‘lixo reciclável’! O lixo verdadeiro não pode ser reciclado e o material reciclável não é lixo, pois a princípio não é sujo, mal cheiroso ou inútil. O grave problema de se errar nessa definição tão importante é a sua cruel consequência para quem trabalha com materiais recicláveis. Catadores, cooperativas, sucateiros, depósitos de recicláveis, beneficiadores, transportadores e indústria recebem uma carga negativa  muito grande por terem seu cotidiano e sua imagem associados ao lixo e a tudo de ruim que ele representa. Segundo o MNCR (Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis) há cerca de 1 milhão de catadores em 400 cooperativas no Brasil. E que NÃO trabalham com LIXO, mas com MATERIAL RECICLÁVEL. É totalmente diferente. Os envolvidos nesta atividade econômica são profissionais da reciclagem e não ‘catadores de lixo’ como eram chamados antigamente.

Uma parte considerável da resistência que ainda existe em relação à coleta seletiva e, por tabela, à reciclagem refere-se à confusão que algumas pessoas fazem entre ‘lixo reciclável’ e ‘material reciclável’. A ideia de guardar lixo em casa é absolutamente repulsiva, mas material reciclável limpo como demanda a coleta seletiva não causa nenhum problema. (Saiba mais por que é importante enxaguar recicláveis)

Se levarmos em consideração que a coleta seletiva resulta em reciclagem e economia de recursos naturais e financeiros, de espaço nos depósitos de lixo, geração de emprego e renda, bem como redução da poluição ambiental em geral, chamar a matéria-prima base para tudo isso de lixo é muito inadequado.

O ser humano tem uma capacidade incrível de aprender e perder essa oportunidade mantendo a palavra ‘lixo’ para se referir a ‘material reciclável’ é também um desperdício da nossa inteligência. Nós podemos e estamos aprendendo a fazer a coleta seletiva, mas ainda precisamos dar o devido valor ao retorno dos materiais ao ciclo produtivo. E para isso devemos abraçar o termo correto: ‘material reciclável’. E sempre que possível orientar as pessoas para sua adoção evitando uma série de problemas e empecilhos à reciclagem.

Leia mais:

A Recicloteca e o Enxágue de Recicláveis

Coleta seletiva: ainda uma desconhecida

Seção coleta seletiva da página da Recicloteca

Conheça os materiais recicláveis:

Papel

Plástico

Vidro

Orgânicos

Metal

Outros

Este texto está protegido por uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Link para atribuição de créditos: http://www.recicloteca.org.br/?p=14374

Gostou desse post?

A Ecomarapendi é a ONG (organização não-governamental) responsável pela Recicloteca. Além do centro de informações sobre meio ambiente e reciclagem, oferece diagnóstico participativo, estudos de impacto ambiental e de vizinhança, treinamento e capacitação.

Assuntos relacionados

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário