A imobilidade no trânsito

Largada do Desafio Intermodal 2010

É comum ouvir os especialistas dizerem que o trânsito das grandes cidades está colapsando ou já colapsou. De manhã pelo rádio, o jornalista, sobrevoando a cidade de helicóptero, relata o caos visto de cima – o trânsito imobiliza a cidade.

De fato, não se faz necessário o depoimento de especialistas, jornalistas e autoridades municipais sobre o tema. Qualquer pessoa que circule pelas grandes cidades sabe a dificuldade que é se locomover, o direito de ir e vir ficou difícil.

Para trafegar em regiões metropolitanas como a do Rio de Janeiro e São Paulo, os habitantes levam horas para ir ao trabalho e voltar para casa. Horas que poderiam ser utilizadas para o lazer, convívio familiar, estudo ou tantas outras coisas.

A pergunta que não poderia deixar de ser feita diante destes fatos é:

“Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito na volta para casa?”

A Ong Transporte Ativo faz esta pergunta e nos desafia a refletir sobre o trânsito da cidade ao, promover pelo quinto ano, o Desafio Intermodal.  Com o objetivo de descobrir como está acontecendo a locomoção no município do Rio de Janeiro, a Transporte Ativo convida amigos e colaboradores a percorrem 15km em diferentes tipos de modalidade.

A idéia é que os participantes saiam de um mesmo ponto da cidade juntos para um destino comum. Sendo assim, quinze voluntários saíram às 18hs da Central do Brasil, no Centro do Rio, com destino ao Leblon, na zona sul.

É importante ressaltar que a velocidade não é o único critério de avaliação. Não basta chegar na frente.  Segurança, praticidade, impacto ambiental, custo, conforto e gasto de energia são tão importantes quanto o tempo de viagem.

A Transporte Ativo já disponibilizou o resultado preliminar que diz respeito apenas ao tempo gasto pelos voluntários em suas respectivas modalidades. E algumas diferenças já chamam a atenção. A moto considerada como rápida no transito fez o mesmo tempo que a integração metrô bicicleta pública. O ônibus chegou depois de três bicicletas. O carro, eleito por muitos como o melhor transporte, ficou parado no trânsito e só ganhou em rapidez sobre dois modais.

Confira o ordem de chegada dos participantes por modalidade:

  1. Moto – 49 minutos
  2. Integração Metrô e bicicleta  - 49 minutos
  3. Integração Metrô e patins –  57 minutos
  4. Bicicleta pela rua, homem pedalando –  63 minutos
  5. Integração Metrô e pedestre – 64 minutos
  6. Integração Metrô e ônibus integração – 67 minutos
  7. Integração Metrô e ônibus comum – 70 minutos
  8. Táxi  - 72 minutos
  9. Bicicleta pela rua, mulher pedalando – 74 minutos
  10. Bicicleta pela ciclovia, homem pedalando I – 78 minutos
  11. Ônibus – 84 minutos
  12. Carro – 86 minutos
  13. Bicicleta pela ciclovia, homem pedalando II  - 97 minutos
  14. Pedestre  - 122 minutos
  15. Metrô Bicicleta Pública = Não havia bicicleta disponível na estação.

Os outros quesitos ainda estão sendo avaliados pela Transporte Ativo, que irá disponibilizar o relatório final em seu site e blog. Vale a pena conferir.

Você já pode ver as fotos do Desafio no Blog da Transporte Ativo. Acesse aqui!

Leia a matéria do jornal O Globo sobre o Desafio Intermodal, escrita pelo jornalista Cláudio Motta.

Gostou dos textos? Detestou? Queremos saber!
Deixe aqui seus comentários, criticas e sugestões.
Estamos fazendo o blog para vocês e
ele é uma construção conjunta.
Ajude-nos a melhorá-lo!

Licença Creative Commons

Este texto está protegido por uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Link para atribuição de créditos: http://www.recicloteca.org.br?p=1141

Compartilhe

Deixe um comentário